Mauro tomava bomba. Era todo inchado, deformado. A pele era pura acne. E era disso que ele mais gostava. A toda hora estava espremendo um cravo ou uma espinha. A namorada de então protestava:
- Que nojo, Mauro! Como você é porco!
- Ah, é relaxante. Tipo, eu sou meu próprio plástico-bolha.

Escrito por Fábio às 18h23
[] [envie esta mensagem] []



Lílian não aguentava mais. Aquela era última vez que Saulo, seu marido, enfiaria a mão no meio de suas pernas e diria: "Vai regular essa mixaria?" Esperou ele sair e interfonou para o porteiro:
- Vêm para cá agora, seu Genésio. E traz o zelador e o segurança. Ah, traz quem você quiser.
Aquela tarde, a até então recatada senhora deu muito, de todas as formas. E gritava para o marido, ainda que ele estivesse ausente:
- Não, Saulo! Eu não vou regular essa mixaria nunca mais! Pra ninguém, ouviu? PRA NINGUÉM!

Escrito por Fábio às 21h13
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


Histórico
Votação
Dê uma nota para meu blog


Outros sites
Mijando na Chuva
Suburbanismos
Quarenta Graus Celsius